O que são Opioides e como funciona o tratamento

Os opióides são substâncias derivadas do ópio, que é extraído de uma planta chamada papoula do ópio. Quando não é modificado de qualquer tipo, pode ser considerado um medicamento de origem natural.

Em outros casos, pode ser classificado como uma substância semissintética quando modificada pela adição de algumas substâncias, como a heroína. A droga também pode ser produzida em laboratório ou sinteticamente.

Os opióides são uma classe de medicamentos que atuam no sistema nervoso para aliviar a dor e podem ser tomados por via oral em forma de comprimido ou cápsula, injetados, aspirados, aspirados ou até mesmo na forma líquida.

Seu uso continuado cria tolerância e atende cada vez mais a demanda do consumidor, levando à dependência.

O primeiro opióide a ser isolado e sintetizado em laboratório foi a morfina, um alcalóide isolado por Friedrich Serturner pelo nome de suas propriedades analgésicas e sedativas.

Esta substância pode acalmar e dormir em pacientes com dor crônica. Por isso, em homenagem a Morfeu, o deus do sono na mitologia grega, a substância recebeu o nome de morfina.

Desde então, nos mais de 200 anos desde a descoberta da morfina, outros opióides foram isolados à medida que a tecnologia avançava.

Quais são os efeitos colaterais dos opióides?

Os efeitos dos opiáceos geralmente aparecem 15 minutos a 1 hora após o consumo e duram cerca de 3 a 4 horas, dependendo da quantidade utilizada.

Para obter resultados satisfatórios, a dose precisa ser aumentada, o que pode levar à dependência química.

Os principais efeitos incluem: efeitos analgésicos, ou seja, contra dores intensas, sensação de bem-estar e euforia, indução do sono, anti-tosse, frequentemente usado em medicamentos e xaropes, afetando a consciência e a visão realista, diminuindo o sistema imunológico do corpo, náuseas ou vômitos, e outros efeitos.

Um problema extremamente comum entre os pacientes que recebem opióides é a constipação, comumente conhecida como constipação. Ocorre em cerca de 40 a 90 por cento das pessoas que tomam opióides.

Embora isso não pareça um problema sério, se persistir, pode levar a várias outras complicações, como ruptura do intestino e aumento da chance de morte.

Como uma pessoa pode se tornar dependente do uso de opióides?

O uso de opióides é mais comum do que você imagina. Como vimos antes, muitas pessoas sofrem de dores crônicas que, na maioria dos casos, só podem ser aliviadas com opióides.

A dor do câncer, por exemplo, requer esses medicamentos para que o paciente seja tratado e leve uma vida minimamente normal.

Muitas pessoas se tornam dependentes porque recebem a medicação por prescrição, mas com o uso, a tolerância do organismo à medicação aumenta.

Em alguns casos, os pacientes estão tomando mais doses ilegalmente porque a dor geralmente é tão intensa e persistente que é necessária uma dose mais alta e constante.

Com acompanhamento médico, isso é difícil de acontecer, mas os brasileiros acabarão encontrando meios ilícitos para amenizar seu sofrimento, pois a quantidade e a dosagem dos medicamentos são limitadas e controladas.

Ainda há pessoas que procuram opióides não para alívio da dor, mas para uso recreativo.

Tais buscas podem ser decorrentes de recomendações de amigos, migração para drogas mais fortes ou buscas pelos efeitos prazerosos e excitatórios da maioria dessas drogas.

Essas substâncias são altamente viciantes e, uma vez em contato com as pessoas, seja para tratamento, uso de drogas ou uso recreativo, é impossível escapar sozinho.

Sintomas de abstinência

Por causa da grave dependência que o ópio produz, os usuários podem eventualmente morrer de síndrome de abstinência.

Quando não é consumido por cerca de 12 horas a 10 dias, o organismo começa a apresentar um processo de abstinência que pode acontecer de diversas formas.

Os indivíduos podem apresentar diarréia, perda de apetite, calafrios, insônia, cólicas estomacais, pressão alta, tremores, aumento do estresse, irritabilidade e vômitos.

Durante a abstinência, é normal que as pessoas esperem ansiosamente por um momento em que não precisem ter nenhuma substância para consumir.

Relacionado a isso, há também sentimentos de fissura, caracterizados por um forte desejo de usar a substância, muitas vezes incontrolável.

Mesmo após o término da síndrome de abstinência, sintomas como desconforto, alterações nos ciclos do sono e apetite ainda podem estar presentes. Além disso, a sensação de desejo ainda pode estar presente.

Você nunca sabe quando uma pessoa se tornará viciada em drogas.

Portanto, esses sintomas podem eventualmente aparecer mesmo após um curto período de uso.

Eles podem variar de leves a graves, dependendo do tipo, quantidade e frequência do uso de drogas.

Como funciona o tratamento?

Acabar com a dependência de tais drogas muitas vezes requer a internação dos usuários de drogas para tratamento adequado.

Dito isto, há um risco significativo de morte se um indivíduo parar de consumir repentinamente e de forma isolada.

O tratamento consiste em abstinência completa e uso de alguns medicamentos na presença de um psiquiatra, o que pode ajudar o dependente a parar de tomar essas substâncias e enfrentar uma crise de abstinência.

O ponto é que os próprios pacientes reconhecem o vício e, portanto, gradualmente se envolvem mais em sua própria recuperação.

A dependência química afeta aspectos biológicos, psicológicos e sociais, por isso tem sido descrita como um transtorno biopsicossocial e, portanto, o tratamento visa promover a recuperação nessas diferentes áreas.

A Importância das Clínicas de Reabilitação no Tratamento de Toxicodependentes

As clínicas de reabilitação são as instalações de tratamento mais favoráveis ​​para o tratamento da dependência química.

Nele, os pacientes receberão apoio médico e psicológico quando necessário. Dessa forma, você pode se concentrar totalmente em sua recuperação.

As clínicas de reabilitação visam capacitar a saúde mental dos pacientes e melhorar seus comportamentos e atitudes permeados pelas drogas e seus efeitos.

O papel da clínica é fornecer aos pacientes as ferramentas necessárias para se reestruturarem e se reestruturarem por meio de uma abordagem multidisciplinar e profissionais de diferentes áreas para que possam reinserir na sociedade.

No portal vida limpa temos médicos, enfermeiros, psicólogos, nutricionistas, profissionais do esporte, monitores e terapeutas de dependência química, terapeutas ocupacionais, especialistas em prevenção de recaídas.

Não hesite em entrar em contato caso precise!

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.